Molde

Fogo Lento Associação Cultural - Quinta

AUTORETRATO ou O desenho de uma mortalha 
de Aniceto

 

Sobre a Religião

 

 

Ao longo dos tempos,

seres humanos

isolaram-se em locais belos,

e tentaram tocar em Deus.

E cada grupo,

pensou Deus a seu modo.

Mas todos eles o fizeram da única forma possível,

REZANDO.

E tendo de sobreviver, trabalharam.

E para o fazer, estudaram.

E como os seres humanos em grupo só se entendem obedecendo,

criaram uma REGRA.

e julgo que me apetece fazer o mesmo.

Aqui fica portanto o esboço de uma REGRA

e que, à semelhança de todas as outras regras,

será um dia destruída.

Sobre os Sentidos

 

 

A criança tem 2 anos e 11 meses.

A criança viu uma rosa em botão,

e chama, meninos, meninos !

mas os meninos estão longe,

a fazer aquilo que só os meninos sabem fazer

brincar.

A criança não desiste,

sobe as escadas,

e, não se sabe como,

trouxe os meninos atrás de si,

e foram todos ver a rosa em botão.

O que viram?

Nunca o saberemos !

Sobre o BELO

 

 

O general elaborou uma estratégia superior,

treinou os seus exércitos para executar manobras com eficácia.

E destruiu o exército inimigo.

E sobrevivemos.

O agricultor,

trabalhou e pensou,

e, sendo prudente,

trabalhou e pensou,

produziu o bastante e enfrentou a Adversidade.

E sobrevivemos.

Ao longo dos tempos o ser humano percebeu que a SOBREVIVÊNCIA está no Bem Feito

E o Bem Feito transformou-se em BELO

E se tivermos alma educada pela dôr,

veremos isso à nossa volta e nos locais mais inesperados,

o jogador de futebol que aldraba o árbito e mete a bola na baliza com a mão

e no lance seguinte sentou a equipa adversária no chão e marcou na mesma.

Nunca encontrei o BELO nos locais convencionais

é como ir ao Vaticano para encontrar Jesus o Nazareno.

Não está, nunca esteve e nunca lá se encontrará.

e é comovente a sensação de tudo isto.

 

Sobre a Riqueza

 

 

A conta bancária atingiu um valor próximo de 350.000 €.

Acontece que isso não é riqueza.

Papéis passados pelo sistema bancário planetário, dirigido por gente extraordinariamente capaz,

que na primeira oportunidade organizará as coisas a seu modo e apropriar-se-á do trabalho de quem trabalha.

Isso feito ao longo dos tempos, faz-se, e enquanto o Ser Humano for o que é, continuará fazendo-se.

Sem que a educadora se apercebesse, a criança escapou-se da sala grande do infantário, o antigo estábulo.

 

Passou pela cozinha onde muita gente se atarefava a preparar refeições.

Subiu ao piso superior onde a avó dançava.

Continuou por um corredor e deu com uma sala esquisita onde se gravava música, e reconheceu o avô

que estava de costas,

encontrou gente a falar línguas estranhas, e pareciam morar na casa.

Noutra sala alguém escrevia gatafunhos esquisitos, toda agente parecia estar concentrada,

e falava-se na conjetura de Riemann.

Desceu por uma escada e viu oficinas onde se trabalhava madeira, ferro e cerâmica.

Noutra sala faziam-se experiências com correntes eléctricas e retortas com produtos químicos.

Saiu para o exterior e, entre o colorido das flores, havia gente que lia e conversava sobre o episódio do grande inquisidor de Dostoievsky.

Deu consigo a olhar para uma árvore muito bela que tinha crescido sobre as cinzas do seu bisavô.

Por momentos lembrou-se das horas felizes em que iam ver comboios. Sorriu.

Reentrou no infantário onde a educadora lhe disse que o seu filho tinha desaparecido. Sorriu.

A criança percebeu que vivemos cercados por um muro.

... e se isto acontecer

esses papéis do sistema bancário planetário, dirigido por seres humanos

que de tão humanos, vivem paredes meias com o crime,

ter-se-ão transformado em RIQUEZA.

Sobre o Tempo

 

 

Ao longo dos tempos

seres humanos

viram rosas em botão.

Tocaram em Deus.

E depois de Ver

disseram,

e foram destruídos.

Mas eu vi !

e do que vi,

darei testemunho.